CR England aumenta salários dos motoristas em 25% nos Estados Unidos

Na tentativa de combater a falta de caminhoneiros, a CR England, de Salt Lake City, no estado de Utah, Estados Unidos, acaba de anunciar o maior aumento salarial já registrado no país. A empresa é uma das maiores dos Estados Unidos, com 100 anos de história desde a sua fundação.

O aumento salarial já entrou em vigor, no início de dezembro, e a média será de 15,5% para todos os motoristas rodoviários. Também foi lançado um novo programa de bonificações, no início de novembro, que premia os motoristas que dirigirem de forma segura e que tiverem um desempenho superior.

Graças a esse bônus, o aumento salarial poderá ser de até 25% para os motoristas da empresa. Com o aumento, o salário médio dos motoristas subira de US$ 52.700 para US$ 65.800 por ano. Isso equivale a R$ 270 mil e R$ 335 mil, respectivamente.

“Estamos muito entusiasmados com este aumento de salário dos motoristas e temos o prazer de oferecê-lo em um momento em que os motoristas de caminhão profissionais estão no centro dos esforços de ajuda relacionados à crise do COVID-19. Em média, esperamos um aumento salarial de até 25% para os motoristas qualificados e este é um dos maiores que já vimos em nosso setor. Temos grandes expectativas em relação aos nossos motoristas, mas também queremos recompensá-los pelo seu trabalho árduo e dedicação. Este é um investimento de vários milhões de dólares em nossos caminhoneiros. Quando você combina este novo aumento salarial com nossos bônus por milhas e disponibilidade de fretes, realmente acreditamos que criamos um pacote de salários que serve de exemplo mundial”, disse o presidente da empresa, Chad England.

Além do aumento dado a todos os motoristas, aqueles que trabalham há mais tempo na empresa participam de outros programas de remuneração, com salários ainda melhores.

Além de estar se tornando uma das melhores empresas para os caminhoneiros, a CR England realiza a doação de uma refeição para cada frete entregue por seus milhares de caminhões. Esses alimentos são doados a 22 instituições de caridade dos Estados Unidos. Desde 2018, mais de 4,7 milhões de refeições foram patrocinadas pela empresa.

FONTE: freightwaves.com

Motoristas estão em falta!

Uma realidade que vem trazendo prejuízos há anos para empresas dos Estados Unidos, da Europa e de outros países desenvolvidos, começa a se instalar no Brasil: A falta de motoristas profissionais. As informações foram divulgadas pelo IPTC – Instituto Paulista do Transporte de Carga, em parceria com o SETCESP – Sindicato das Empresas de Transportes de Carga e São Paulo e Região.

Os dados se referem à uma pesquisa elaborada pelo instituto, que mostra que o número de motoristas habilitados com a Carteira Nacional de Habilitação C, que possibilita a direção de caminhões com peso acima de 3,5 toneladas não articulados, caiu consideravelmente entre 2015 e 2020.

A redução foi de 5,9% ao ano no número de motoristas com CNH C desde 2015, com queda mais acentuada em 2017 e 2018, quando caiu 8,9%. Isso implica em um número superior a 1 milhão de motoristas.

Estados Unidos, que já sofre a anos com a escassez de mão de obra nos transportes, estima que faltam mais de 60 mil motoristas para as transportadoras do país. Se a tendência não se reverter, até 2028 deverão faltar 160 mil profissionais no país.

Na Europa os números também são alarmantes. Faltam 127 mil caminhoneiros no continente, sendo os países mais afetados a Inglaterra, Alemanha e Espanha.

No Brasil, até 2015, o número de motoristas habilitados com a categoria C vinha subindo, cerca de 1,4% ao ano, chegando ao patamar de 5,6 milhões de motoristas habilitados para essa categoria. Em 2020, o número de motoristas habilitados nessa categoria caiu para 4,5 milhões.

Além da redução da emissão e rebaixamento das CNH já emitidas, a idade média dos caminhoneiros no Brasil também é alta. A maioria tem entre 51 a 60 anos de idade. Em 2010 a maioria tinha entre 41 e 50 anos.

Na faixa entre 18 e 21 anos, faixa etária em que normalmente se obtém a CNH C, o número de habilitados caiu 64,1% entre 2010 e 2020.

Além disso, com o fim da crise 2014-2017, o número de motoristas contratados vem subindo consideravelmente, reduzindo a oferta de mão-de-obra disponível no mercado.

Outro ponto a ser considerado é que o número de motoristas que pedem demissão das transportadoras já é o segundo motivo mais declarado nos desligamentos, sendo o primeiro a demissão sem justa causa. Na base das empresas ligadas ao Setcesp, o número de motoristas que pediram demissão em 2019 foi de 2.864, e o número de desligamentos sem justa causa foi de 6.605.

A rotatividade de motoristas entre as empresas também tem causado prejuízos para as transportadoras, para treinamento e adaptação de novos motoristas. Somente em transportadoras de São Paulo, a cifra chega a R$ 18,7 milhões por ano.

Os salários vem subindo ao longo dos anos, com os motoristas CNH C recebendo, em média, R$ 2.064 por mês em 2019, maior valor já registrado. Apesar disso, o interesse na profissão está diminuindo.

O Setcesp também alerta que o Brasil ainda não está vendo essa realidade como um problema até agora, o que pode trazer imensos prejuízos à economia nacional em médio prazo. Estados Unidos e Europa demoraram a se posicionar sobre o assunto, e a falta de caminhoneiros tem afetado negativamente negócios de todos os tipos.

Para ampliar as informações sobre a falta de motoristas, o Setcesp está realizando uma pesquisa para descobrir os motivos que estão levando o Brasil à uma falta de motoristas no transporte rodoviário de cargas. A pesquisa é dividida em quatro etapas e pode ser respondida NESTE LINK.

Reajuste de 6,5% no Diesel na Região Sul

A Região Sul apresentou os maiores reajustes no preço do diesel nos primeiros 15 dias de julho, de acordo com o Índice de Preços Ticket Log (IPTL). Mesmo sendo a região que concentra os menores preços do País, teve um acréscimo de 6,5%, e o combustível teve o litro vendido ao preço médio de R$ 3,148 e chega a ser 14% mais barato que a média encontrada na Região Norte, que registrou a maior média nacional para o litro do diesel.

O diesel continua mais barato no Sul, mas é interessante perceber que os índices de reajustes para esse combustível foi mais alto por lá, em relação aos aplicados nas demais regiões. Os próximos dias devem mostrar se essa curva se manterá, analisa o head de Mercado Urbano da Edenred Brasil, Douglas Pina.

No recorte por Estado, o IPTL apontou que o ranking de preços mantém as posições do fechamento de junho. O Paraná lidera com os menores preços para os principais combustíveis, com o diesel comercializado a R$ 3,060, um aumento de 6,7%, em relação a junho. Com um avanço de 3,4%, Santa Catarina teve o diesel comum vendido a R$ 3,221, e o diesel S-10, a R$ 3,272. Ambos são os mais caros de toda a Região Sul.

O IPTL é um índice de preços de combustíveis levantados com base nos abastecimentos realizados nos 18 mil postos credenciados da Ticket Log.

A expectativa de alta continua, por isso nós da FB Consult lançamos a ÚNICA IMERSÃO DE FORMAÇÃO DE GESTORES DE DIESEL DO BRASIL, que é um treinamento que vai ocorrer no dia 08 de agosto, e que se aplicado as técnicas pode-se obter resultados em economia imediata de 3% a 20%.
Venha fazer parte desse grupo seleto de empresas.
Entre em contato e saiba mais.


Fonte: jornalfolhalitoral

Selo de Boas Práticas Para Empresas de Transportes

O Ministério da Infraestrutura (MInfra) vai atestar com o selo “Infra + Integridade” as empresas mais comprometidas com a transparência em suas gestões, que incluem iniciativas de conformidade, responsabilidade social, sustentabilidade, e prevenção à fraude e à corrupção. A ideia é incentivar as empresas a carregarem uma marca que funcione como uma espécie de “certificado de integridade e governança”. A portaria que regulamenta o selo foi assinada pelo ministro Tarcísio Gomes de Freitas e publicada na última sexta-feira (24).

A iniciativa é o sétimo pilar do programa Radar Anticorrupção, criado pelo MInfra com o objetivo de aprimorar a gestão pública e dificultar os desvios de conduta e de recursos públicos. Desde sua criação, há um ano, já foram realizadas mais de 500 análises de integridade e encaminhadas 260 denúncias às autoridades policiais e órgãos de controle.

COMPLIANCE – De acordo com a subsecretária de Conformidade e Integridade do MInfra, Fernanda Costa de Oliveira, o selo Infra + Integridade será uma forma de fomentar nas empresas a implementação de programas de compliance. “Para ter direito a este selo, as empresas interessadas deverão passar por uma rigorosa avaliação documental de conduta e idoneidade. Uma das vantagens para as empresas é que este selo servirá como um reconhecimento de boas práticas em gestão, principalmente no mercado internacional”, explicou Fernanda.

Entre os objetivos da premiação estão a conscientização das empresas sobre seus papeis no enfrentamento de práticas ilícitas e antiéticas, o reconhecimento de práticas de integridade e sustentabilidade no setor de infraestrutura, além de mitigar os riscos de ocorrências de fraude e atos de corrupção. “Esse é mais um passo do nosso programa de transparência na gestão, que agora é estendido às empresas que prestam serviços ao Governo Federal. É uma maneira que encontramos de incentivar uma cultura de ética e valores nas administrações privadas”, declarou Tarcísio.

O selo terá duração de um ano e as empresas contempladas poderão divulga-lo em seus portfólios, documentos, materiais informativos e sites institucionais. Todas as informações e regulamento para participar da premiação podem ser encontrados em www.infraestrutura.gov.br/selointegridade.

Fonte: transportes.gov.br

Como Enfrentar a Crise do Coronavírus no Setor de Transportes

Na última quinta-feira (19), nosso CEO Flávio Batista, PhD, fez uma live com o tema: Como Enfrentar a Crise do Coronavírus no Setor de Transportes.

Nela foram abordados estratégias práticas que as empresas de Transportes podem implantar para atenuar a crise do Coronavírus.

Sei que muitos estão focados em resolver problemas pessoas e da empresa e não tiveram como assistir, então nós resolvemos gravar e deixar disponível para quando vocês tiverem um tempo para assistir e refletir.

Agradecemos ainda se você pudesse compartilhar com sua equipe e outros colegas do setor.

Um abraço e sucesso neste momento desafiador. Conte conosco da CONSULT!

Atenção! O uso de celular ao volante aumentam em 400% chances de acidentes

Quem for flagrado falando ao celular ou mesmo manuseando o aparelho enquanto está no trânsito estará cometendo uma infração gravíssima de trânsito. O valor da multa é de R$ 293,47. E mais: o motorista leva até sete pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH). 

Mas não é só isto. Segundo estudos realizados no Estados Unidos, o uso do aparelho ao volante aumenta em 400% o risco de acidente de trânsito. No DF, a prática é a terceira maior causa de sinistros. Quando o olhar é ampliado para todo o país, o celular se torna a segunda maior motivação, passando inclusive a alcoolemia. Os dados são da Associação Brasileira de Medicina do Tráfego (Abramet).

Os órgãos de fiscalização apertam o cerco. Em 2019, mais de 77 mil condutores foram notificados por estar usando o celular com uma das mãos enquanto dirige. “Em 2018, foram 72,6 mil casos. A gente verifica que os números só aumentam. Seguem a mesma velocidade da tecnologia”, explica o diretor de Educação de Trânsito, Marcelo Granja.

O Departamento de Trânsito não possui um levantamento específico que relaciona, em detalhes, as motivações dos acidentes. No entanto, a prática dos agentes nas ruas têm apontado para o aumento do registro de pequenas colisões por conta da distração causada pelo uso do celular. “O motorista, às vezes, fica olhando o celular, e quando arranca acaba colidindo com o carro da frente. Isto porque perde a noção da distância”, afirma o servidor.

Viva-voz
Segundo Granja, as notificações são efetuadas nos casos de teclar, segurar o telefone com uma das mãos e usar fones de ouvidos. “Apesar de não sofrer multa, a utilização do viva-voz do carro compromete, e muito, a segurança da direção”, garante Granja. “Há uma dispersão muito grande do condutor, que pode remeter a uma direção cega por distâncias representativas. Ou seja, por segundos, o motorista sofre um estado de bloqueio total”, conta.

As explicações do professor seguem a linha de pesquisadores voltados ao estudo da psicologia do trânsito. “Mesmo que o motorista tenha as mãos livres, o foco direcional muda”, dizem psicólogas Ana Cristina Santos e Adaucilene Amorim, no artigo científico Conversas ao celular e direção: alterações na percepção e Atenção do condutor.

No estudo, as autoras ainda abordam que numa conversa usando-se o viva-voz o condutor compromete os reflexos, ficando-o mais lento para a tomada de decisões. “Ao dirigir, o indivíduo aprende olhar de forma instintiva e contínua para os lados. Porém, com a utilização do celular, a tendência do motorista é fixar o olhar à frente do volante e isso interfere na visão periférica e limita a varredura do campo perceptivo do condutor, o que é fundamental”, completa o estudo.

O uso do celular ao volante não é um perigo somente para os motoristas. Os pedestres também são vítimas constantes de atropelamentos originados pela distração do condutor e seu smartphone. “Passam a faixa distraídos e não observam se o semáforo fechou porque estão olhando para o celular”, comenta Miguel Videl, chefe do Núcleo de Educação do Detran-DF.

Segundo ele, nas abordagens das blitzes educativas do Detran-DF, o alerta é feito. “Estamos alertando os motoristas sobre isto. Porque quando o embate é feito, o carro está em vantagem. Hoje, quem dirige tem de estar atento a tudo isto”, afirma.

FONTE: agenciabrasilia.df.gov.br

Percentual de biodiesel no diesel aumenta a partir de 1º de março

No próximo dia 1º de março, o Brasil dá um importante passo rumo à economia de baixo carbono, com a elevação da mistura de biodiesel no diesel para 12%, o B12.

O biodiesel é um biocombustível produzido a partir de óleos vegetais, gorduras e resíduos como o óleo de cozinha usado.

Com produção e consumo de 7 bilhões de litros projetados para 2020, o Brasil ocupa a segunda posição como maior produtor e consumidor de biodiesel no mundo, ficando atrás apenas dos Estados Unidos, onde é possível encontrar até B20 (diesel com 20% de biodiesel) nos postos. A Indonésia disputa o segundo lugar com o Brasil, e já fala em usar B40.

De acordo com o presidente da União Brasileira do Biodiesel e Bioquerosene (Ubrabio), Juan Diego Ferrés, o biodiesel representa o equilíbrio. “Equilibra as emissões de carbono, que há centenas de anos se acumulam na atmosfera pelo uso dos combustíveis fósseis. Equilibra também a exploração dos potenciais brasileiros, reduzindo importação de combustível e fortalecendo a indústria”, destaca.

Com o uso de 7 bilhões de litros de biodiesel este ano, o Brasil deve reduzir a emissão de cerca de 13,3 milhões de toneladas de CO2. É como se plantássemos 105 milhões de árvores, o suficiente para ocupar 980 mil campos de futebol (700 mil hectares).

As vantagens de usarmos cada vez mais biodiesel são inúmeras. Estamos reduzindo a poluição que sai do escapamento dos ônibus e caminhões e ao mesmo tempo garantindo estabilidade no preço do diesel. Além disso, o biodiesel é o combustível do desenvolvimento, porque fortalece a economia e a indústria nacional.

Por ser vendido às distribuidores de combustíveis em leilões bimestrais, o preço do biodiesel fica estável por pelo menos dois meses, e antes mesmo de chegar às bombas, o consumidor pode saber qual será o preço do biocombustível, pois os leilões são públicos e os resultados divulgados pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

“Uma das grandes vantagens dessa comercialização do biodiesel via leilões é que garante maior transparência para o consumidor, e concorrência de preços, pois são mais de 30 produtoras ofertando o produto, e as distribuidoras buscam pelo melhor preço”, explica o vice-presidente técnico da Ubrabio (União Brasileira do Biodiesel e Bioquerosene), Marcos Boff.

Outro ponto importante é a qualidade. Nos últimos dois anos, o Brasil realizou o maior programa de testes do mundo para validação do uso de misturas de biodiesel até 20% em motores a Diesel. Esse programa foi coordenado pelo Ministério de Minas e Energia (MME), com participação dos produtores de biodiesel e da indústria automotiva. Como resultado, hoje, o produto tem uma especificação ainda mais rigorosa, que aumentou seu tempo de prateleira, isto é, sai das usinas com uma “validade” maior, fazendo do biodiesel o melhor combustível do Brasil.

Biodiesel: o pré-sal verde

Com o mundo caminhando rumo à transição para energia limpa em substituição aos combustíveis fósseis, o biodiesel é o pré-sal verde brasileiro.

“Além de ser um produto que promove a segurança energética e alimentar, os biocombustíveis também asseguram um processo de economia mais sustentável. Quanto mais usamos biocombustíveis no processo de industrialização, maior é a geração de valor agregado ao produto e a verticalização da produção regional. Algo diferente do que ocorre hoje no País como no caso da soja, por exemplo, em que cerca de 80% é exportada sem agregação de valor. Ou seja, exportamos empregos, ao invés de gerar postos de trabalho no Brasil”, explica o diretor superintendente da Ubrabio, Donizete Tokarski.

A legislação brasileira prevê que a mistura obrigatória de biodiesel avance um ponto percentual ao ano, até alcançar o B15 (15% de biodiesel em 2023). Esses aumentos devem ocorrer sempre no dia 1 de março de cada ano, seguindo cronograma do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE).

Raio-x do biodiesel no Brasil (de 2005 a fevereiro de 2020):

  • Emissões de CO2 evitadas: 79 milhões de toneladas
  • Empregos gerados: 1,3 milhão
  • Usinas autorizadas pela ANP em 2020: 51
  • Regiões brasileiras com produção de biodiesel: Norte, Sul, Nordeste, Sudeste e Centro-Oeste
  • Estimativa de mortes evitadas com a redução da poluição: 2,5 mil
  • Aquisições de matéria-prima da agricultura familiar: R$ 29 bilhões
  • Famílias de agricultores incluídas na cadeia produtiva: 100 mil
  • Aproveitamento de óleo residual e sebo bovino na produção: 6,5 milhões de toneladas
  • Volume de diesel que deixou de ser importado e usado: 41 bilhões de litros
  • Produção científica: 13 mil artigos publicados e 280 patentes depositadas no INPI

FONTE: UBRABIO

Tolerância zero para celular ao volante: CCJ aprova punição maior em caso de homicídio

O uso de celular ou aparelho similar ao volante pode aumentar — de um terço à metade — a pena por homicídio culposo no trânsito. O endurecimento da punição passará a ser prevista no Código de Trânsito Brasileiro – CTB (Lei 9.503, de 1997) segundo o Projeto de Lei do Senado (PLS) 435/2015, aprovado em decisão final pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

A proposta de tolerância zero para o uso de celular ao volante foi apresentada pelo presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), que alertou, em sua justificação, para as implicações negativas do uso massivo de celulares pelos motoristas sobre as condições de segurança no trânsito.

“Se há tolerância zero para a ingestão de bebida alcoólica, resultante da Lei 11.705, de 2008 (Lei Seca), seria prudente e muito bem-vinda uma campanha, por exemplo, ‘Pare de CHATear ao volante. Desligue seu celular enquanto dirige’”, defendeu Alcolumbre.

Mensagem de texto ou voz

O relator do PLS 435/2015, senador Fabiano Contarato (Rede-ES), concordou que um maior rigor na legislação de trânsito, acompanhado de ações educativas e de fiscalização mais efetiva, como as incentivadas pela Lei Seca, deverá ajudar a refrear a imprudência dos motoristas.

“Assim, comungo com a opinião do autor da proposição, que entende ser necessário aumentar a pena do crime de homicídio culposo se o agente estiver utilizando telefone celular, como forma de inibir o seu uso”, declarou Contarato no parecer.

Apesar dessa concordância, o relator resolveu apresentar emenda para deixar claro, no projeto, que a punição também se aplica ao motorista que enviar mensagem de texto ou de voz por celular ou similar enquanto dirige.

Por fim, o PLS 435/2015 estabelece a comprovação do uso do celular ao volante por meio da quebra do sigilo telefônico do condutor, limitada à data do registro da infração. O CTB classifica como infração gravíssima o uso da telefonia móvel na condução de veículos.

Se não houver recurso para votação da proposta pelo Plenário do Senado, será enviada, em seguida, à Câmara dos Deputados.

Fonte: Agência Senado

Restrições de tráfego de caminhões 2020

A fim de promover a fluidez do trânsito em grandes feriados, quando há maior movimentação nas estradas, a Polícia Rodoviária Federal publicou a PORTARIA Nº 126, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2019 sobre a restrição do trânsito de Veículos e Combinações de Veículos excedentes em peso e ou dimensões aos limites máximos estabelecidos pela Resolução nº 210/2006, do Conselho Nacional de Trânsito e suas alterações, passíveis ou não da concessão de Autorização Especial de Trânsito – AET ou Autorização Específica – AE, em rodovias federais, nos períodos dos feriados previstos para o ano de 2020.

I- Largura máxima: 2,60 metros;

II- Altura máxima: 4,40 metros;

III- Comprimento total de 19,80 metros; e

IV- Peso Bruto Total Combinado (PBTC) para veículos ou combinações de veículos: 57 toneladas.

A restrição abrange o trânsito de Combinações de Veículos de Carga (CVC), Combinações de Transporte de Veículos (CTV) e Combinações de Transporte de Veículos e Cargas Paletizadas (CTVP), ainda que autorizadas a circular por meio de Autorização Especial de Trânsito (AET) ou Autorização Específica (AE).

A restrição abrangerá apenas os trechos rodoviários de pista simples, com exceção dos trechos específicos estabelecidos no Anexo da presente Portaria.

Nos Estados do Acre e Roraima não haverá restrições de circulação.

Confira abaixo os dias e horários das próximas restrições:

Carnaval

  • 21/02 (sexta-feira), das 16h às 22h;
  • 22/02 (sábado), das 6h às 12h;
  • 25/02 (terça-feira), das 16h às 22h;
  • 26/02 (quarta-feira), das 6h às 12h.

Semana Santa

  • 09/04 (quinta-feira), das 16h às 22h;
  • 10/04 (sexta-feira) , das 6h às 12h;
  • 12/04 (domingo), das 16h às 22h;

Dia do Trabalho

  • 30/04 (quinta-feira), das 16h às 22h;
  • 01/05 (sexta-feira) , das 6h às 12h;
  • 03/05 (domingo), das 16h às 22h;

Independência

  • 04/09 (sexta-feira) , das 16h às 22h;
  • 05/09 (sábado) , das 6h às 12h;
  • 07/09 (segunda-feira) , das 16h às 22h;

Nossa Senhora Aparecida

  • 09/10 (sexta-feira) , das 16h às 22h;
  • 10/10 (sábado) , das 6h às 12h;
  • 12/10 (segunda-feira) , das 16h às 22h;

Finados

  • 30/10 (sexta-feira) , das 16h às 22h;
  • 31/10 (sábado) , das 6h às 12h;
  • 02/11 (segunda-feira) , das 16h às 22h;

Fim de ano

  • 24/12 (quinta-feira) , das 16h às 22h;
  • 25/12 (sexta-feira) , das 14h às 22h;
  • 31/12 (quinta-feira) , das 16h às 22h;
  • 01/01/21 (sexta-feira) , das 14h às 22h;

Festejos Juninos

  • 23/06 (terça-feira) , das 16h às 22h;
  • 24/06 (quarta-feira) , das 12h às 22h;

Festejos Juninos as restrições somente nos estados da Bahia, Paraíba, Pernambuco e Rio Grande do Norte.

FONTE: portal.prf.gov.br

Defasagem média de 13,9% no valor do frete do transporte de carga

O setor de transporte rodoviário de cargas está com uma defasagem média de 13,9% no valor do frete. O índice foi apresentado no encerramento do primeiro dia do CONET&Intersidical, realizado em Curitiba, no Paraná. O Conselho Nacional de Estudos em Transporte, Custos, Tarifas e Mercado reúne cerca de 400 empresários do setor.

A pesquisa foi feita pelo Departamento de Estudos e Custos Operacionais da NTC&Logística, Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística. Segundo o palestrante e engenheiro  Lauro Valdívia, um dos principais apontamentos da pesquisa é a defasagem no preços praticados do frete em 2019. No caso do frete por peso, o valor está, em média, 13,9% abaixo do que deveria (18,7% na carga lotação e 9,6% na carga fracionada). Outro dado que chama a atenção é que 61,5% do pagamento dos fretes são recebidos com atraso.

Leia, abaixo, a íntegra do Comunicado:

COMUNICADO CONET DE FEVEREIRO DE 2020

Estudos do DECOPE indicam que o TRC ainda esperada a recuperação do valor do frete rodoviário de carga

Seguindo a sistemática de apuração semestral de índices que indiquem a variação de fretes do segmento transportador rodoviário de cargas, a pesquisa realizada pelo DECOPE/NTC no mês de janeiro último aponta para uma defasagem média no frete recebido pelo transportador em relação ao seu custo de 13,9%, sendo de 9,6% nas operações com transporte de cargas fracionadas e de 18,7% nas com cargas lotações ou fechadas.

Continua preocupando ainda e chamando a atenção, a falta do recebimento dos demais componentes tarifários, tais como frete-valor e GRIS. Constata-se que muitos usuários não remuneram adequadamente o transportador com relação aos serviços complementares ou adicionais. Enquadram-se nesta categoria, por exemplo: a cubagem da mercadoria, a cobrança da EMEX para regiões que se encontram em estado de beligerância, a TRT para as regiões metropolitanas que possuem restrição a circulação de caminhões, os serviços de paletização e guarda/permanência de mercadorias, o uso de escoltas e planos de gerenciamento de riscos customizados, o uso de veículos dedicados, dentre outros.

É importante realçar que muitas vezes os custos adicionais com esses serviços são superiores ao próprio frete, daí porque trata-se de situação crítica, que precisa ser resolvida entre as partes.

Finalizando, é oportuno lembrar que caminhamos para um período de crescimento da economia, onde as demandas devem crescer e os gargalos logísticos se estreitam, razão pela qual, o alerta continua visando a preservação da saúde financeira das empresas do setor e, desta forma, garantindo a sua capacidade de arcar com os investimentos necessários. A eliminação da defasagem é de total interesse do transportador, mas também do contratante que deseja manter a regularidade e a segurança nas suas operações.

FONTE: Fetransul